in

Bolsonaro quer ‘testar’ a possibilidade de criação da nova CPMF

Como sabemos, à antiga EXTINTA CPMF “A Contribuição Provisória sobre a Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira foi um tributo brasileiro. Sua esfera de aplicação foi federal e foi aplicada de 1997 a 2007. Sua última taxa foi de 0,38%”trecho retirado wikipedia.

PUBLICIDADE

Esse imposto tem sido uma grande saída para o ministério da economia devido que ele pretende tentar volta-lo para poder tampar algumas deficiências de caixa do governo federal.

Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Mesmo com essa perspectiva de muitos não gostarem e criticar a cpmf abertamente o Presidente pretende “testar” e o que ele usa para ressuscitar este imposto e que com a redução dos tributos pagos pelas empresas na folha de pagamento faltaria a arrecadação publica.

PUBLICIDADE

No entanto com a relutância de diversos aliados e de opositores dizendo que vão barrar ainda não deixou Paulo Guedes, Ministro da Economia enviar o projeto para o congresso, informou o jornal O Estado de S. Paulo.

Como sabem o mercado de trabalho tem sofrido com advindo da Covid-19, o ministro Convenceu o presidente a colocar a publico e a votação a volta do tributo e dizendo que não haverá aumento da carga tributária pois um substituiria o outro.

Guedes ainda tenta convencer o presidente a envio do projeto com a possibilidade de aumentar na isenção do Imposto de Renda (IRPF), hoje em R$ 1,9 mil por mês, uma promessa de campanha que o Bolsonaro, e viabilizar o projeto Renda Brasil, o programa social que o governo desenha para substituir o Bolsa Família. Guedes quer enviar o projeto com o novo tributo ainda em agosto.

PUBLICIDADE

Fontes falaram ao grande Jornal Estado de São Paulo que o Presidente deu sinal verde ao debate que estava interditado desde o ano passado quando o  secretário da Receita, Marcos Cintra, foi demitido por defender publicamente a criação de uma contribuição nos moldes da CPMF.

Naquela época chegaram a pensar que o imposto chegaria arrecadar 120 bilhões que é a mesma prevista agora para uma alíquota de 0,2%.

No Poder Executivo, assessores afirmam que o pedido do presidente foi feito no âmbito técnico da economia. A equipe da articulação política, no entanto, ainda não foi acionada.

PUBLICIDADE

 Bolsonaro, segundo fontes, concordou que já que se fala em uma reforma tributária não há por que deixar de fora a recriação de um  imposto no modelo do antigo tributo que existiu até 2007 para poder cobrir gastos do Governo com projetos de saúde – a alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação.

Auxiliares de Bolsonaro falam , no entanto, que, ao dar o aval à discussão do novo imposto e permitir que a equipe econômica dê publicidade a isso, faz um “balão do ensaio”, como costuma fazer em diversos temas, para testar a receptividade do novo tributo. Ou seja, ele libera os técnicos para colocar o imposto na pauta do dia enquanto observa as reações. Estratégia semelhante foi feita na reforma administrativa, que está pronta desde novembro do ano passado e foi “engavetada” por Bolsonaro.

No Congresso, lideranças têm se mostrado contrárias à volta da CPMF, mas a pressão do setor de serviços, que é favorável ao imposto, têm incentivado o debate.

Trabalhador morre em acidente na Rodovia Ronan Rocha

Franca e Região Demostra Melhora e pode Avançar no Plano São Paulo