in

Laudo cadavérico de Evelyne Ogawa confirma que a apresentadora de TV foi morta por enforcamento ou asfixia

O laudo cadavérico sobre a morte da radialista Evelyne Ogawa de 38 anos mostra que a apresentadora de TV foi morta por asfixia, enforcamento.

PUBLICIDADE

A mulher foi vítima de feminicídio no mês de março no apartamento onde morava, o autor do crime é Vinicius Fernando Silva de 31 anos, ele confessou o crime e está preso na Penitenciária da Papuda.

A investigação revela que Evelyne foi assassinada por volta das 21 horas da sexta-feira, a polícia foi ao local após o companheiro procurar a 26ª delegacia de polícia de Samambaia confessou o crime e disse que o corpo estava na residência onde morava.

Os investigadores foram ao local e encontraram Evelyne com um fio elétrico no pescoço utilizado pelo homem para matá-la.

PUBLICIDADE

O Instituto Médico Legal após os exames confirmaram que a mulher foi assassinada por asfixia havia uma marca forte no pescoço e sangue nos olhos que caracteriza o esforço físico dos vasos sanguíneos e é comum em pessoas asfixiadas, a pele fica azulada devido a insuficiência de respiração e circulação do sangue.
A perícia técnica relata que antes de acontecer o crime houve uma discussão uma briga corporal, o laudo pericial deve sair em poucos dias e materiais e objetos foram examinados pela perícia para determinar como aconteceu o fato.

Câmeras de segurança dos prédios vizinhos também estão sendo vistoriadas pela Polícia Civil em algumas imagens já coletadas pela polícia é possível ver Vinícius e Evelyne juntos no elevador aparentemente discutindo.

PUBLICIDADE

Em outra imagem colhida pela polícia é possível ver na madrugada logo após o assassinato Vinícius descendo o elevador com uma sacola Azul nas mãos.

Três dias após Vinícius cometer o crime a polícia da 26ª DP o prendeu, Vinícius tem uma ficha extensa de porte ilegal de arma, roubo e violência contra mulher.

 

Advogado aparece tomando banho durante videoconferência ordinária do TJDFT

Última mensagem de educadora vítima da covid-19 em grupo de WhatsApp: “Orem, orem, orem por mim não quero morrer”