in

Motorista acelera veículo com mulher se equilibrando no capô do carro: Polícia investiga

Na cidade de Francisco Beltrão no Paraná, o motorista acelera o veículo com uma mulher segurando no capô do carro, a policial civil disse que o caso a princípio foi tratado como violência doméstica na delegacia da mulher.

PUBLICIDADE

As imagens ganharam as redes sociais e nelas é possível ver a mulher segurando no veículo enquanto ele está em movimento.

O homem acelera o carro e em determinado momento ela cai, a delegada Emanuelle Baggio responsável pelo caso diz que todas as diligências estão sendo adotadas com relação aos envolvidos.

No momento da ocorrência o carro foi apreendido na delegacia, uma perícia está sendo realizada, a vítima que cai do veículo já prestou depoimento na delegacia, ela foi levada para o hospital e foi liberada logo em seguida e se submeteu também a exame no Instituto Médico Legal para averiguar as lesões.

PUBLICIDADE

Testemunhas estão sendo ouvidas e imagens do local onde o veículo passou estão sendo vistoriados pela polícia.
O motorista chegou a publicar um texto dizendo que eles discutiram porque a ex não aceitava o namoro dele com outra mulher, ela entrou na frente do carro não permitiu que ele saísse e subiu sobre o capô.

Ele disse para ela descer e entrar no banco do carona mas ela não quis, ele então seguiu com o carro e ela acabou caindo.

PUBLICIDADE

O homem se defende nas redes sociais dizendo que ela não permitiu que ele saísse com o automóvel, ela foi em cima porque quis, mas claro que nas redes sociais ninguém concordou com a explicação do homem.

Porque o correto era ele ter chamado a polícia, ele não poderia ter arrancado com o carro e andando várias quadras com ela presa no capô, certamente ela iria cair qualquer hora e poderia ter sido fatal, a polícia continua investigando o caso.

 

Empregada admite que viu Henry mancando e com ‘cara de apavorado’, que Monique dava remédio para ansiedade ao menino

Motorista viraliza nas redes sociais ao dirigir picape com vários objetos empilhados na caçamba: “Incrível, coisa de outro planeta”