in

“Senti puro amor, gratidão e reciprocidade”, diz enfermeira que abraçou idosa em meio a pandemia em SP; imagem venceu o World Press Photo: “É uma luz nesses dias sombrios”

A idosa Rosa Luzia Dhonnart contou o que “o abraço apertado foi gostoso”, o primeiro abraço em cinco meses da enfermeira Adriana Silva Costa Neto com dona Rosa foi registrado e a foto ganhou o prêmio do ano pelo World Press Photo.

PUBLICIDADE

Dona Rosa disse que ficou surpresa com o prêmio ela não gosta de tirar fotos, a enfermeira Adriana disse que foi um abraço de amor, de respeito, gratidão, reciprocidade e talvez a foto passou tudo isso.

Elas estavam enroladas em um plástico transparente com bordas amarelas que manteve as duas separadas uma da outra devido à covid-19, mas puderam se abraçar e esse aperto trouxe calor e um vigor à mais em meio a tantas tristezas que tem causado a pandemia.

PUBLICIDADE

O fotógrafo dinamarquês Mads Nissen foi quem tirou a foto na zona oeste de São Paulo, o fotógrafo disse que decidiu vir ao Brasil quando soube que os casos estavam aumentando e ele decidiu registrar algumas imagens no cemitério.

Nesse momento ele estava no local e acabou tirando essa foto que foi emblemática e se tornou um ícone da covid-19. Foi um momento extraordinário em meio a pandemia disse um dos jurados.
Mais de 70 mil fotos foram avaliadas pelos juízes, mais de 4.000 fotógrafos e essas foto venceu, essa imagem mostra tudo, ela mostra perda, separação, vulnerabilidade, morte, mas acima de tudo sobrevivência e esperança.

PUBLICIDADE

Se você olhar um tempo para esta foto você vê um símbolo de vida de esperança, essa é uma grande mensagem em meio a pandemia, esse foi um dos grandes comentários sobre essa imagem que ganhou o prêmio.

O fotografo recebeu o prêmio de 5.000 Euros, essa imagem traz luz em meio a uma situação sombria disse Nissen.

 

Jovem de 28 anos dá à luz gêmeas contrai covid-19 e morre sem conhecer as filhas: “Estava apaixonada por essa gravidez , não pode segurar as filhas no colo”, diz irmã

Prefeito Bruno Covas é internado e descobre novos nódulos no fígado e nos ossos: “Abaixar a cabeça?! De jeito nenhum”