in

Em memória aos mais de 500 mil mortes pela covid-19 no Brasil, ONG “planta” rosas na praia de Copacabana: “Não é um evento político mas uma solidariedade as famílias enlutadas”

Neste domingo (20) a ONG Rio de paz usou um ato em memória das mais de 500 mil mortes pela covid-19 no Brasil.

PUBLICIDADE

A entidade colocou na praia de Copacabana na zona sul do Rio de Janeiro rosas vermelhas, as rosas representavam a solidariedade a todos os familiares que perderam pessoas para o coronavirus.

Diversão as mensagens foram publicadas nas redes sociais falando sobre a perda dessas pessoas, algumas criticaram no governo do presidente Jair Messias Bolsonaro tanto na aquisição de vacina como em manifestações que violaram as normas sanitárias.

Outros se posicionaram sabendo que a culpa não pertence a uma única pessoa, o vírus está no mundo todo não somente no Brasil, todo mundo têm enfrentado essa crise, países de primeiro mundo ainda não vacinaram todas as pessoas e lembraram que o presidente não poderia pedir a vacina sem o consentimento da Anvisa, não era simplesmente sair comprando era necessário uma aprovação da vacina.

PUBLICIDADE

Houve um grande debate nas redes sociais algumas pessoas conta tentando colocar a culpa no presidente dizendo que ele é culpado por todas essas mortes.
Outros disseram que tal afirmação é extremamente ridícula pois afinal de contas muitas pessoas não se resguardaram pessoas que falaram como artistas que pediram para outros ficar em casa eles mesmo saíram pelas ruas, eles promoveram festas, então a culpa não pertence ao governo mas a população que não se preveniram saíram para as ruas sem usar máscara.

Fizeram lembrar que esse evento é em memória as pessoas que morreram vítimas da doença, não é um ato político para criticar um governo mas uma solidariedade a todas as famílias que perderam um ente querido.

PUBLICIDADE

 

Bolsonaro ataca lockdown em Araraquara: “Só serve para acabar com o emprego os casos continuam alto por lá”

Logo depois da saída atencipada de Faustão, Tiago Leifert se manifesta pela primeira vez: “A globo decidiu mudar”