in

Vídeo mostra mulher engatinhando e pedindo socorro após ser baleada por jornalista no MT

Nadia Vilela é uma farmacêutica de 33 anos. A mulher foi baleada pelo seu ex-companheiro, José Marconde, jornalista conhecido como Muvuca. Nadia estava trabalhando em sua farmácia quando sofreu a tentativa de homicídio.

PUBLICIDADE

Mesmo machucada ela conseguiu engatinhar e suplicar por ajuda. A tentativa de homicídio ocorreu na última segunda-feira, no dia 28 de junho.

Segundo a farmacêutica Nádia Vilela, seu ex-companheiro não estava aceitando o fim da relação e cometeu esse crime.

Nadia foi atingida por três tiros, por esse motivo se fez necessário que ela passasse por duas cirurgias. A vítima continua internada em estado grave.

PUBLICIDADE

No vídeo da câmera de segurança é possível ver Nádia ferida, engatinhando e tentando sair da farmácia. É visível o medo dela em ser atingida mais uma vez pelo jornalista. Ela pediu socorro e foi auxiliada por duas pessoas que passavam pelo local.

O ex-companheiro tentou tirar a própria vida, mas não conseguiu. Muvuca foi socorrido, precisou ser submetido a uma cirurgia, não resistiu e veio a óbito. A mãe do jornalista disse ao G1 que fez uma oração para que o seu filho pudesse se encontrar verdadeiramente com Deus.

PUBLICIDADE

O jornalista sempre era gentil e amável com aqueles que eram próximos dele, entretanto, tinha um ciúme doentio por sua ex-companheira e tentou tirar a vida dela. A violência contra a mulher acontece exatamente dessa maneira.

Estado de Saúde

A farmacêutica Nadia permanece internada em uma Unidade de Tratamento Intensivo em um hospital particular. Embora seu estado de saúde seja grave, o quadro permanece estabilizado.

As investigações estão apontando realmente que Muvuca não foi capaz de aceitar o fim do relacionamento com a farmacêutica. Quem está investigando o caso é a Delegacia da Mulher de Tangará da Serra.

 

Milionária é presa suspeita de encomendar morte de companheiro: “Contrato era de R$200 mil para cometer crime”

“Crime de responsabilidade não basta para tirar um presidente”; é imprescindível a mobilização popular nas ruas