in

Resgatada do trabalho análogo a escravidão, Madalena celebra aniversário pela primeira vez: “Eu não podia sonhar”

Em diversos meios de comunicação foi divulgada as imagens de Madalena Gordiano que se tornou símbolo na luta contra o trabalho análogo à escravidão.

PUBLICIDADE

A mulher está com 48 anos e comemorou pela primeira vez o seu aniversário, a história ocorreu em Patos de Minas.

As autoridades descobriram que a mulher era tratada como escrava, a denúncia foi feita ao Ministério Público que descobriu que Madalena trabalhava como empregada doméstica em uma residência há mais de trinta e oito anos.

PUBLICIDADE

Ela não tinha nenhum direito não recebia salário não podia sair de casa quando queria, nem pintar as unhas, coisas simples ela não podia fazer.

PUBLICIDADE

A mulher morava com o professor Dalton Rigueira, segundo o Ministério Público ele é responsável por manter a Madalena como escrava em sua residência.
Madalena foi resgatada no final de 2020 foram mais de 38 anos nessa condição, sem salário sem folga e era obrigado a cumprir jornada de trabalho durante todo dia e até mesmo durante a noite.

Ela vivia em um quartinho sem janela, não tinha nada pertencente a si apenas a cama para dormir e não podia se sentar à mesa com os outros familiares, segundo informações o dinheiro da pensão de Madalena era usada pela família para custear a faculdade da irmã do professor.

Livre, Madalena agora quer viver uma nova vida, ficar longe dessas pessoas que a oprimiam e fazer coisas que sempre teve vontade.

 

Caso DJ Ivis: Pamella Holanda revela detalhes das agressões verbais e físicas que sofreu

Por trás do meu nome há uma triste história: “Meu pai pôs o nome da amante em mim para ter desculpa se a chamasse sem querer”