in

Talibã chicoteia e espanca mulheres em manifestação em Cabul: “São violentos, mas não seremos tratadas como escravas”

Rasia Barak de 26 anos recebeu um soco na orelha após um protesto realizado no último sábado.

PUBLICIDADE

A professora desempregada disse que participou de uma manifestação e acabou recebendo um soco que atingiu o ouvido e a cabeça.

O Talibã é responsável pela agressão eles chegaram a usar pistolas porretes, gás lacrimogêneo e chicote, eles agrediram dezenas pessoas, a professora disse que a manifestação aconteceu contra o governo.

PUBLICIDADE

Dezenas de mulheres estavam reunidas em frente ao palácio presidencial na cidade de Cabul e todas foram agredidas, as manifestantes ficaram gravemente feridas, o protesto começou na manhã do sábado.

PUBLICIDADE

O objetivo das mulheres era pedir direitos trabalhistas e não aceitam ser transformadas em escravas, todas estão lutando pelos seus direitos mas as agressões foram muito fortes e não há nada que possam conter o Talibã de agredir as mulheres, mas elas não desistem da luta.
Ela conta que duas mulheres chegaram a ser assassinadas também pelo Talibã, algumas são colocadas em prisão domiciliar, disse que o problema é que não há nenhum governo que apoia, ninguém se posiciona a favor das mulheres.

Por isso pede que o mundo não reconheça o governo Talibã, lutema favor delas porque nesse momento dramático da vida estão lutando sozinhas e a única coisa que tem recebido é violência em plena rua.

São atacadas pelos policiais, são agredidas e humilhadas simplesmente porque estão pedindo os seus direitos, não querem ser tratadas como escravas, algumas já desistiram da luta e estão deixando o país.

 

Neto diz à polícia que decapitou o avô e jogou a cabeça na mata para vingar abuso sexual da irmã de 12 anos

Tio é preso por abuso e ameaça contra menina; sobrinha diz que os abusos duraram 9 anos: “Era ameaçada de morte”