in

Pediatra pode ter sido morto por alertar família sobre abuso contra criança atendida por ele, diz irmão: “Tinha que alertar era um grande profissional”

O irmão do pediatra César de Queiroz de 44 anos que foi morto dentro da sua clínica particular no oeste da Bahia, disse que tanto ele como a polícia suspeita que o crime tenha sido cometido por que Cesar havia alertado a família que a criança havia sofrido abusos.

PUBLICIDADE

Ele chegou a mostrar que a criança já tinha vários sinais, a partir de então a polícia passou a investigar, com a mote do pediatra ele acredita que o suspeito tenha matado por vingança.

O pediatra chegou até alguma conversa com a criança que sofreu abuso e por isso alertou a família, o irmão disse que ele tinha toda obrigação de alertar os pais sobre o que estava acontecendo e deveria mesmo procurar a polícia.

A polícia não divulgou nenhuma linha de investigação eles estão a busca do suspeito, mas não deu nenhum detalhe sobre a investigação.

PUBLICIDADE

Na última sexta-feira 24 o irmão disse que a cunhada dele trabalhava como enfermeira sempre trabalhava com Júlio e ela presenciou o crime, ela sempre estava com ele e naquele momento ela ficou sem chão foi algo tão terrível que dificilmente sairá da cabeça.
Ele tinha dois filhos um de 8 e outro de 5 anos, o irmão disse que o crime aconteceu quando César estava atendendo na clínica, duas pessoas presenciaram o crime.

O enterro aconteceu na última sexta-feira no cemitério chique chique e apesar das suspeitas de vingança o médico era conhecido por ser uma pessoa de boa relação com todas as pessoas, não somente os pacientes mas as pessoas da localidade.

PUBLICIDADE

Era uma pessoa maravilhosa, um bom médico, um grande profissional, um pai de família, irmão, amigo e morreu de uma forma bárbara sem merecer, Júlio César era mais o novo entre três irmãos, a família está desolada.

 

Polícia prende 29 suspeitos de estupro coletivo contra uma adolescente de 15 anos; a menina foi levada para vários locais

Homem que morreu ao bater de frente com carreta tinha confessado abuso da enteada dias antes