in

Delegado conta detalhes como policial planejou, sequestrou, abusou e assassinou jovem em crime que chocou o país

Após um estupro e assassinato que chocou os britânicos desencadeou diversos debates sobre violência contra mulheres.

PUBLICIDADE

Um policial chegou a ser condenado à prisão perpétua no país por assassinar Sara Everard de 33 anos.

No início o policial chegou a admitir o sequestro estupro e assassinato da moça diante do tribunal, mas após um tempo foi revelado todos os detalhes do crime ao público.

PUBLICIDADE

Segundo foi anunciado Sara estava voltando para casa tinha estado na casa de um amigo no bairro de classe média em Londres, quando foi sequestrada, segundo a polícia a escolha foi aleatória, mas o ataque já era planejado.

PUBLICIDADE

O juiz Adrian Suporte garantiu que o policial fez todo o planejamento premeditado, mas a moça foi escolhida aleatoriamente, foi a primeira pessoa que ele viu pela frente que dava condições de um sequestro.
O juiz contou que o policial planejou durante muito tempo um ataque sexual violento contra as vítimas, ele planejou pelo menos um mês antes de pratica-lo, chegou a fazer pesquisas da melhor forma de cometer esse crime, chegou alugar um carro antes de matar a jovem e comprou fitas, carpetes diversos materiais no comércio eletrônico no Amazon.

O condenado era policial nos Estados Unidos integrava a unidade policial de proteção a parlamentares e quando saiu do trabalho pegou o seu carro e saiu para sequestrar estuprar e matar.

Durante o interrogatório foi revelado que o homem usou os conhecimentos que tem na segurança pessoal, o homem de 48 anos identificado como Cousens foi condenado a prisão perpetua.

Algo deu errado um casal testemunhou o sequestro, mas viram um policial por isso não interviram, ele sequestrou a moça estuprou e matou estrangulada com o cinto, após uma grande investigação a polícia descobriu tudo.

 

Via: bbc.com

Mãe quase morre durante o parto e faz alerta a todas “Não quero assustar”

Mãe pede que motorista de ônibus não grite com seus filhos “eles choram sempre que chegam em casa”