in

Por medo da nova variante da Covid-19, quinze capitais estaduais brasileiras cancelam festas de Réveillon

O Distrito Federal juntamente a outras 14 capitais brasileiras, fizeram um anúncio de que não realizarão festas de fim de ano, como forma de prevenção ao avanço da covid-19, e da chegada da nova variante, a Ômicron. Permanecem os eventos privados.

PUBLICIDADE

Até agora, Recife, Natal, São Luís, Salvador, Aracaju, Fortaleza, Cuiabá, João Pessoa, Campo Grande, Porto Alegre, Florianópolis, Palmas, Vitória e Belém optaram pelo cancelamento das festividades de fim de ano, com fins de manter a segurança de todos.

Ibaneis Rocha (MDB), governador do DF, optou da mesma forma, em não realizar evento algum em Brasília. No Nordeste, Maceió ainda insiste em realizar as festividades; entretanto, foi destacado pelo governo que a realização ou não, vai depender do quadro sanitário da região e do país no mês de dezembro.

Já em São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) informou que esperará uma definição melhor por parte da ciência, com base em dados da Vigilância Sanitária, para tomar a decisão. “Se o risco sanitário não existir, teremos Réveillon. Para o caso contrário, não vamos ter”, disse ele.

PUBLICIDADE

A prefeitura de Eduardo Paes (PSD), no Rio de Janeiro já se prepara para o Réveillon, planejando três palcos em Copacabana, o que atrairá em estimativa cerca de 2 milhões de pessoas com “como o de costume, um show com um artista de peso internacional”. Porém Eduardo Paes, disse que, as festividades só sairão do papel, caso haja condições seguras para que ocorra.Uma epidemiologista do Instituto de saúde coletiva da UFBA, chamada Glória Teixeira, comentou sobre. “Não temos condições nenhuma de mantermos festas de fim de ano. O aparecimento da Ômicron, países vivenciando uma quarta onda da doença, são gigantescos motivos para tal”, disse.

 

PUBLICIDADE

Suspeito de matar fazendeiro, enteada e mulher grávida já havia sido preso por tentativa de feminicídio

Mulher encontra corpo de bebê em sacola ao descongelar geladeira: O corpinho do bebê estava há um ano ali”