in

Vídeo chocante mostra perspectiva de quem estava mais perto do paredão que desabou em Capitólio

Uma imensa rocha desabou e acabou atingindo diversas lanchas que estavam no Lago de Furnas, que se trata de um ponto turístico localizado no município de Capitólio (MG), a qual fica localizada a cerca de 280 quilômetros da capital Belo Horizonte. A fatalidade aconteceu no início da tarde deste último sábado, dia 8.

PUBLICIDADE

Até a manhã deste domingo, dia 9, o Corpo de Bombeiros havia informado o total de 8 pessoas mortas no acidente. De acordo com o apurado, 32 pessoas ficaram feridas e outras duas ainda estão desaparecidas. O corpo de bombeiros possui uma estimativa de que, no momento em que ocorreu o acidente, estavam no local cerca de 70 turistas.

Diversos vídeos têm sido publicados nas redes sociais, os quais mostram o exato momento em que uma enorme rocha cai sobre a água, e atinge no mínimo, três embarcações. Alguns instantes antes de acontecer a queda, é possível ver e ouvir alguns guias turísticos alertando para que todos saiam do lugar, devido ao iminente desabamento que estaria para acontecer.

Um dos mais chocantes vídeos divulgados até o momento, mostra a perspectiva e a visão de quem estava muito mais próximo ao imenso paredão.

PUBLICIDADE

Pedro Aihara, tenente e porta voz dos bombeiros, disse que as fortes chuvas que vêm castigando o estado podem sim estar ligadas ao acidente e faz um alerta para outros incidentes do tipo.“É provável que novos acidentes aconteçam, isso por que a água proveniente das chuvas consegue adentrar nas rochas, cuja resistência ás chuvas e ventos é menor”, disse.

PUBLICIDADE

A região onde o deslizamento aconteceu é um cânion. Ou seja, é um vale profundo rodeado de rochas que se tornam uma espécie de parede natural. Em entrevista concedida à CNN, Aihara disse que as visitas a regiões rochosas do tipo, não devem ser realizadas em épocas de muita chuva.

 

 

Em 2012, rachadura do cânion em Capitólio foi fotografada por médico que disse: “Essa pedra vai cair”

Quatro vítimas da tragédia em Capitólio moravam em Sumaré e aproveitavam as férias na casa de um primo